Vamos falar sobre coleta de lixo?

Desde que assumimos a Sec. de Infraestrutura e a Sec. de Meio Ambiente, a coleta e destinação de resíduos em geral, tem sido um dos nossos maiores problemas, pois a cidade não tem um Plano de Gestão de Resíduos e hoje, parte do nosso lixo é direcionado para um aterro particular em Campina Grande.
A nossa coleta, de janeiro até a primeira semana de março, foi feita por um caminhão compactador próprio e uma caçamba locada, e por muitas vezes, tivemos problemas por questões mecânicas de um dos veículos, o que sempre acarretou atrasos.
Essa semana, infelizmente o nosso compactador apresentou problemas mecânicos, já estamos providenciando o reparo e de ontem pra hoje, temos feito um verdadeiro malabarismo para não deixar a coleta mais deficitária do que ela já é. E aqui agradecemos aos garis que não têm medido esforços para deixar a cidade limpa.
Se faz importante destacar que existem diferentes tipos de lixo: o lixo doméstico (orgânico e reciclável), lixo hospitalar, lixo proveniente de podas, resíduos de construção, lixo eletrônico e resto de madeiras, móveis, etc. São resíduos diferentes e alguns deles os caminhões compactadores e a atual caçamba, não podem recolher para o aterro. Isso dificulta bastante a limpeza da cidade.
Estamos montando um cronograma com os catadores para a coleta de material reciclável e a Sec. De Meio Ambiente montou uma cartilha educativa mostrando como separar o lixo doméstico corretamente e quais tipos de lixo não são obrigação da Prefeitura coletar. Temos consciência que falta uma campanha educativa que informe a população os seus deveres e direitos em relação ao descarte de lixo, pois esse trabalho só funciona se feito em conjunto. Na próxima semana estaremos divulgando essas cartilhas educativas e esperamos que a população colabore conosco, pois descartar lixo indevidamente é crime e gera multas.
Muitas vezes já fizemos a coleta de entulhos de construção (que estavam há muito tempo nas ruas), restos de móveis, e mal terminamos de limpar, a população vem e coloca o lixo novamente. Hoje só temos um veículo que faz essa limpeza, ele nos auxilia justamente nesse processo de limpeza dos bairros, um pouco lento devido à limitação de mão de obra, mas que vem sendo feito dentro das nossas possibilidades. Um exemplo é a lateral do mercado público, já recolhemos sofá, vaso sanitário, móveis, etc, por várias vezes e se você for hoje lá, tá do mesmo jeito ou pior. Outro exemplo são os coletores da Jussara. Já tiramos aquele material todo dali recentemente, mas se você chegar lá hoje, tem quase um caminhão de barro e muito lixo misturado.
A culpa é nossa? Sim, em partes, pois precisamos com urgência de um plano de gerenciamento de resíduos e estamos trabalhando nele neste momento, esperamos apresenta-lo ao poder Legislativo no início do próximo mês, mas a culpa também é da população que na maioria das vezes descarta resíduos que não são de responsabilidade da Prefeitura, como por exemplo: entulho e móveis.
O coletor da Jussara por exemplo, é feito para colocação de lixo doméstico e não para despejo de resto de construção e aterro.
Existem locais na cidade e distritos que necessitam de coletores de lixo, e vamos providenciar isso nos próximos meses. Selecionar material e local adequado para a construção, de modo que não agrida o meu ambiente.
O que cabe a nós enquanto poder público? Tomarmos as providências em relação a elaboração desse plano, para que possamos tomar as decisões de forma correta protegendo as pessoas e o meio ambiente e precisamos, acima de tudo, da ajuda da população.
Estamos em um processo licitatório para locação de um compactador de volume maior. Esse compactador irá subsistir a atual caçamba, promovendo um maior volume de coleta e segurança para os profissionais envolvidos.
Nos próximos dias o processo licitatório do caminhão compactador deve ser concluído e teremos como organizar a agenda da coleta de lixo e passar para a população dias e horários, o que sempre vem sendo cobrado, mas até então não tínhamos o controle dessa rota, por diversos motivos.
Quando o processo for concluído, iremos estabelecer um cronograma de coleta com dias fixos para cada localidade.
A retirada de entulho e restos de construção é de responsabilidade do proprietário da obra. Cabe a prefeitura notificar a irregularidade, solicitar a retirada e no prazo de 48 horas após a notificação, caso não seja atendida, multar o proprietário. É lei!!
Também é lei, passível de multa e até prisão, a colocação de lixo em local proibido.
Lei de Crimes ambientais nº 9.605/98
Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.
Vamos fortalecer essa fiscalização para que possamos manter a cidade limpa.
Precisamos e contamos com a colaboração de todos!
Secretaria de Infraestrutura e Secretaria de Meio Ambiente – Prefeitura Municipal de Areia
COMPARTILHAR